Vamos conversar sobre como podemos te ajudar

Preencha o formulário e entraremos em contato o mais breve possível
Aguarde, enviando contato!
Minhas Compras
Você adicionou a sua lista de cursos.
Erro na Linha: #17 :: Undefined offset: 0
/home/oforte/public_html/themes/web_ead/artigo.php

Será que sua empresa merece a ISO 9001:2015?

Será que sua empresa merece a ISO 9001:2015?

Vou começar explicando o porquê estou utilizando a palavra merecer?

Segundo o dicionário, merecer significa:

v.t. Ser digno ou passível de alguma coisa.
Apresentar as condições requeridas para alcançar uma coisa.

Ou seja, é estar em condições de obter ou receber alguma coisa.

Muitas empresas já possuem a certificação ISO 9001:2008, nos últimos 5 anos foram mais de 121 mil novas certificações no Brasil, mas será que a gente vive esse nível de Qualidade em processos, produtos e serviços?

Teoricamente, a ISO deveria ir muito além de uma certificação, ela deveria assegurar uma melhor experiência e satisfação para o cliente, pois o cliente é a razão de uma empresa existir.

Mas muitas vezes, ao investir em certificações, as empresas se enchem de burocracias e mandamentos. Por quê?

Acontece que muitas dessas empresas possuem certificação só para “inglês ver” e com isso dificultam arduamente o processo de qualidade em si. O foco não é bem atender as expectativas de seus clientes, suas principais preocupações consistem em seguir as regras necessárias para cumprir os requisitos e vender para o tal fornecedor que solicitou. Seguindo aos “deves” da norma, ela continuará com a sua certificação estampada na parede de sua organização, o que não está errado, mas essas empresas fazem a coisa certa, pelos motivos errados, e isso pode gerar um impacto muito grande.

Será que sua empresa merece a ISO 9001:2015?Curso de Auditor Líder certificado pelo IRCA

O que essas empresas talvez não sabem é que fingir que se tem um por vaidade ou porque um fornecedor pediu, custa muito caro!

Isso é nítido quando vemos empresas que tem certificação, mas seus processos continuam burocráticos e lentos, que ao invés de resolver problemas, geram mais problemas. Preciso dizer que isso vai fazer com que você perca clientes, aumente retrabalho e ineficiência? Bom, se você quiser um método para medir isso de maneira quantitativa, eu sugiro que veja este vídeo: “O custo da não Qualidade”

A Qualidade é um sistema que deve fomentar a cultura da organização ao executar seus processos, e isso não dá pra ser executado em um departamento. Neste caso, a ISO é, ou deveria ser, o resultado de um sistema de gestão da qualidade bem implementado.

Em um comunicado que saiu a pouco tempo, a Chevrolet identificou um defeito no cinto de segurança de dois modelos de veículos, anunciando que as peças precisariam ser trocadas. Ainda no comunicado, ela avisa que ainda não fora identificada nenhuma ocorrência relacionada a este defeito. Mas então, como ela pode identificar este problema se ninguém reclamou?

Essa empresa se preocupa com seu cliente, com sua satisfação e em ter qualidade. Neste momento, tanto para empresa quanto para o cliente, o que importa é a eficiência do processo, pois é o que resolverá o problema, e é aí que está a grande diferença da ISO 9001:2008 para ISO 9001:2015.

Talvez, isso não estava tão claro antigamente, mas a ISO 9001:2008 camuflava o real objetivo de se trabalhar com qualidade, que não é resolver problemas, e sim trabalhar na prevenção dos problemas, para que eles não aconteçam! A ISO 9001:2015 tem como base o gerenciamento de riscos para agir preventivamente sobre incertezas, e isso trará uma evolução muito significativa para o SGQ.

Não sei se você sabe, mas todas as unidades da Chevrolet no Brasil possuem a certificação da ISO 9001. Se isso é ou não um mérito, eu não sei, mas essa é pelo menos uma evidência que me diz que o SGQ deles funciona e que eles não terão tanta dificuldade assim para fazerem a transição para ISO 9001:2015. E se eles não tivessem a certificação, ainda assim mereceriam.

Já dizia Aristóteles: A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las.

 

Por Nadia Segantini e Marina Beffa do Blog da Qualidade

Enviando Comentário Fechar :/
Desenvolvido por: Fokus - Mídias Digitais
Voltar ao topo